APROVEI! – Natal Made in German, ou melhor, com sabor alemão

Texto e fotos: Gilberto Evangelista

20/12/17

Eu não sei quanto a vocês Queridxs Leitorxs, mas em tempos de exagero do “politicamente correto”, vou aproveitar para usar do meu livre-arbítrio e protestar em alto e bom som: ABAIXO AOS CHOCOTONES!!!! Isso mesmo, quem quiser pode jogar pedra, mas o fato é que hoje em dia está cada vez mais difícil achar um Panetone Artesanal (ou dito gourmet) de frutas secas para comprar. Tirando aqueles que encontramos nos supermercados, quase nenhuma empresa ou panificadora especializada investe nesse produto que, para mim, é o verdadeiro sabor do Natal. É só chocolate, trufa, belga, gotas, recheio, cobertura… CHEGAAA!!!

Por isso mesmo, passei quase três semanas pesquisando e fazendo contatos para descobrir um local que ainda fizesse um bom panetone de frutas secas só para dizer pra vocês: “Ok, pode sair de casa, ir lá, comprar e botar no centro da sua mesa no próximo dia 24 de dezembro, que sua ceia agora sim tá completa e seus convidados irão amar!”. Devo admitir que, no início, eu fiquei seduzido pelos produtos do grupo Fasano (que estão disponíveis no restaurante Gero e em alguns mercados e empórios locais). No entanto, fiquei com dó de dar R$ 180 no dito cujo… Decididamente, eu não sou o público alvo deles. Daí, eu fiquei sabendo que a Panetteria D’Oliva do Guará 2 tinha também uma receita muito interessante e bem mais em conta. Só que eles não responderam aos meus contatos, fica então para uma próxima oportunidade.

Finalmente, ao falar com o pessoal da Bäckerei (leia báquerai) – padaria recém-inaugurada no Brasília Shopping – eu fiquei encantado com a simpatia dos sócios proprietários (Ana Victoria Neddermeyer e Mac Marques) o que para mim já foi uma senha, um sinal verde. Mas fiquei ainda mais animado com a descoberta de que a casa oferece sim um Panetone de frutas secas artesanal, mas também um pão doce típico europeu, que é feito com os ingredientes que tanto festejo. Voilà! Depois de quase três parágrafos de introdução, enfim nós chegamos ao tema da coluna de hoje: Natal com sabor alemão!

Vale ressaltar desde já que a Bäckerei oferece produtos de pâtisserie e boulangerie típicos de diferentes partes da Europa (brioches, folgasses, éclairs, tartelettes, macarrons, entre outros que tive o prazer de fotografar para vocês ficarem loucos de vontade para irem lá conhecer o local o quanto antes); porém, o forte da casa mesmo são as receitas e sabores germânicos. Isso porque o Mac, que é formado em gastronomia, foi para a Alemanha somente para fazer curso de panificação. A decisão pode parecer estranha para alguns, mas cheia de razão, já que aquele país possui nada menos que três mil tipos de pães, um dos berços dessa cultura no mundo ocidental, com receitas datadas do Século XV e que são consumidas até hoje.

Este é o caso do Stollen (o pão doce citado acima), que na agradável (e chic) padaria é feito com uma massa de fermentação natural, doce caseiro feito in loco com as cascas da laranja e do limão, além de passas, maçã e algumas coisinhas a mais. Tem cara de ter também umas especiarias, mas pra quê ficar sabendo de tudo tim-tim por tim-tim? O que importa é que o pão tem uma massa densa, um pouco mais escura, sendo ao mesmo tempo leve, úmida e bastante perfumada. Com uma crosta de açúcar por cima e um recheio de marzipã no meio, a iguaria é daqueles pratos que o povo de casa acaba num piscar de olhos depois de provar o primeiro pedaço. Simplesmente INCRÍVEL! Eu poderia ficar horas falando das impressões que tive, mas preciso passar para o Panetone aquele que seria o personagem principal desta coluna…

…e que é totalmente diferente do Stollen, mesmo contendo alguns de seus ingredientes. Suave, leve e delicado, o produto é diferente dos industriais que encontramos nos supermercados. Afinal, ele é feito carinhosamente de modo artesanal, onde várias horas de descanso são dedicadas para se obter uma massa fofa, levemente macia e saborosíssima, que só é obtida com fermentação natural (olha ela de novo aê). Ah! Vale ressaltar que a textura e o sabor desse Panetone são muito mais interessantes, porque ele não possui conservantes e nem corantes em seu preparo. No resultado final, a boca não fica tomada por aquele gosto artificial de essência de frutas cítricas, muito pelo contrário. Aqui, a farinha bagatelle de origem francesa tem um papel importante, uma vez que sua qualidade superior é garantida pela ausência de aditivos e seleção criteriosa de grãos. Traduzindo, matéria prima boa, maestria no domínio das técnicas só pode acabar em coisa maravilhosa.

No meu caso, eu poderia comer numa sentada só, tanto um quanto o outro, já que o Panetone tem 550 gramas e o Stollen meio quilo. Com o chá biodinâmico alemão de ervas e lavanda da foto então, a brincadeira ficaria fácil, fácil, pois ambos são rústicos e finos, com cara de pão feito por aquela tia ou vozinha alemã com cara de brava e coração de manteiga de quase dois metros de altura. Se assim como eu, você tá afim de fugir à ditadura dos chocotones, dá uma passadinha no local e já garanta um de cada. O primeiro serve muito bem para comemorar mais um aniversário do Menino Jesus, e o segundo eu guardaria para a noite de Réveillon, pois conversando com a Ana eu comentei que ele deveria ficar muito bom com espumante também e ela concordou de imediato. Já pensou tomar café da manhã no dia primeiro com um pão que é consumido por Reis e Rainhas desde a idade média? Espero que curta a dica, pois a coluna tá saindo hoje justamente para dar tempo hábil, já que a Bäckerei venderá o Panetone e o Stollen somente até o dia 24/12, depois, já era, não adianta chorar… corre!!!

Quer conhecer?

Bäckerei

Instagram: @backereibrasil

Brasília Shooping

De segunda a sábado das 10h às 22h.

Domingos das 12h às 20h.

(61) 3244-6826.