APROVEI! – Rossoni, muito mais que pastel e carne de sol

Por Gilberto Evangelista

10/11/17

Aos visitantes assíduos do site e, principalmente, os desta coluna, eu quero apresentar meu pedido de desculpas, pois semana passada não deu para soltar um texto. Tudo culpa de um nutricionista chamado Amir que me cortou todas as delícias deliciosas que gosto de comer e que acabo trazendo como sugestões aqui para vocês. Bom, pelo menos nesse início de dieta estou evitando mesmo as gordices para ver se a pochete e os pneuzinhos laterais de gordura natural decidem diminuir um pouquinho. Mas logo, logo estarei podendo tirar ao menos um dia na semana para fazer descobertas gastronômicas ou visitar os lugares que amo. Afinal, é justamente quando a gente não pode algo é que a gente mais sente vontade. Não é mesmo?

E é justamente este o mote da coluna de hoje, a saudade imensa que eu estou de sentar numa das mesas do Rossoni da 307 Sul pra me acabar de tanto comer. Não sei se vocês já conhecem, já foram ou comeram algo de lá, mas a casa funciona há pouco mais de um ano na Asa Sul; embora a primeira unidade já esteja de portas abertas no Cruzeiro Velho desde 1999. Senhor! Quanta coisa boa a gente deixa de conhecer justamente por não explorar melhor a nossa cidade. Bom, conhecido principalmente pela carne de sol e pelos pastéis, o restaurante é daqueles poucos lugares onde tudo o que se pede nunca decepciona. Sério! Nesse um ano eu já fui lá uma pá de vezes, inclusive para comemorar meu último aniversário, e todas as pessoas que me acompanharam nessas ocasiões concordam comigo: é gostoso, bem servido e tem cara de que foi feito na casa da gente… (vocês já perceberam que eu me amarro em comida com gosto de caseira. Né?).

Enfim, vale a pena destacar que a fama da carne de sol e do pastel não é gratuita. Ambos são maravilhosos! Dá só uma olhada na foto da carne que eu fiz em uma das vezes que comi por lá, e com queijo derretido por cima mesmo pra porção ficar bem mais gostosa e calórica também. Mas, venhamos e convenhamos com Erasmo e Roberto, tudo que é gostoso é “ilegal, é imoral ou engorda” e dá um prazer danado. Ainda mais no caso do Rossoni, onde alguns de seus pratos podem até engordar, mas não tem nada haver com o resto do verso da canção. Voltando à carne de sol, ela pode ser grande ou pequena e acompanha mandioca frita ou cozida. Como ela é servida na chapa, bem quentinha, conforme passa o tempo, ela vai criando aquela crosta de mandioca fundida com queijo, algo que parece ter caído do céu de tão bom. Com uma caneca de chopp então, me falta até palavras para descrever o tanto que isso é delicioso.

Já no caso dos pastéis, eu tive que “roubar” uma foto no Instagram da casa pra ilustrar a matéria, pois o gênio aqui nunca se lembrou de fazer um registro. Mesmo caso para a coxinha de frango com catupiry. Deve ser a gula que toma conta de mim nesses momentos e me faz perder a noção da realidade. Tenho certeza que aqueles que nunca foram ao restaurante irão entender quando fizerem sua primeira visita ao Rossoni, do mesmo modo que aqueles que já o conhecem me entendem. Primeiro porque quando os salgados chegam à mesa, eles surpreendem por conta do tamanho. Daí a gente pensa: “Ihhhh… deve ser massudo, ruim pra ca..!”, mas aí a gente dá a primeira mordida e só para quando eles chegam ao final. Detalhe, com uma pimentinha então, fica um desbunde o negócio, seja a coxinha, o pastel (de qualquer sabor), o kibe ou o risole de carne. Sempre fresquinhos, com bastante recheio, quentinhos, crocantes, sequinhos e muito saborosos.

Na verdade, eu poderia me alongar ainda em linhas e mais linhas para justificar por que o título desta coluna é Rossoni, muito mais que pastel e carne de sol. Afinal o lugar oferece ainda uma lista considerável de petiscos; pratos executivos; os caldos servidos todas as noites (destaque para a vaca atolada, nota 10!); o buffet de feijoada dos sábados na hora do almoço; a cerveja trincando de gelada; o caldo de cana prensado na hora; as sobremesas fantásticas como a torta de limão ou a coxinha de brigadeiro recheada com morango; e mais um montão de itens. Mas se tem duas coisas que eu não posso deixar de falar é que o atendimento do pessoal, além de simpático, é sempre muito simpático e que os preços são muito, MUITO justos. Pode ir que eu tenho certeza que você vai aprovar como eu APROVEI!

P.s.: Quando o Almir liberar, quero ir lá no Cruzeiro Velho pra ver de qual é a da matriz 😉

Quer conhecer?

Rossoni, Pastelaria e Carne de Sol
SCLS 307, Bloco B, Loja 03, Asa Sul
(61) 3541-5569
ou
Quadra 01 (em frente ao Cruzeiro Center)
(61) 3234-1119
Ambos de Terça-feira à domingo das 10h à meia-noite




One thought on “APROVEI! – Rossoni, muito mais que pastel e carne de sol

  1. Ana Teresa

    Estou adorando a coluna! É uma opinião sincera, e divertida de ler! Eu moro perto do Cruzeiro e costumo ir na matriz, também gosto muito de lá!

    Reply

Deixe uma resposta